quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Bandeiras: uma comunicação silenciosa, mas de extremo poder!

Há bandeiras por toda parte.
Até na Lua!
No alto dos mastros, silenciosas elas comunicam a identidade e o poder de um povo através de suas cores e desenhos.
Mas, você sabe a origem das bandeiras?
As bandeiras têm origem nas insígnias, que geralmente eram figuras recortadas em metal/madeira, ou pintadas em escudos, que representavam poder na antiguidade. Passaram a ser representadas por tecidos pintados a partir da tendência romana com seu vexellium (antiga insígnia das Legiões Romanas), acentuando-se essa prática na Idade Média. Nesta época, os exércitos, para não se confundirem uns com os outros, usavam um pedaço de pano hasteado em um estandarte, com cores/sinais de identificação do batalhão ou companhia envolvida, para evitar a morte de centenas de soldados de grupos aliados. Da palavra latina vexellium, derivou-se o termo vexilologia, empregado ao estudo da história e do simbolismo das bandeiras.
As bandeiras seguem regulamentação quanto à forma, cores e maneira de hastear. Esta regulamentação segue dispostos legais de cada país. Assim, o cerimonial e a atitude perante a bandeira podem ser mais ou menos rigorosos conforme a nação. Um dos sinais de luto oficial mais conhecidos, a partir de uma bandeira, consiste em hasteá-la a meia-haste, ou colocar um laço ou uma fita negra sobre seu pano.
Algumas cores são tradicionais no que se diz respeito a bandeiras: o branco e o amarelo sugerindo a prata e o ouro dos brasões de armas, o azul geralmente relacionado à nobreza, o vermelho a movimentos revolucionários, e o marrom, adotado em algumas bandeiras africanas, como uma alusão à raça negra.
Estrelas, lua, sol, e objetos astronômicos, em geral, são comuns nas bandeiras de diversos países. A bandeira do Nepal, por exemplo, tem um sol e uma lua, que significa que o país existirá enquanto os dois astros existirem. Entretanto, na maioria das vezes, não há significado astronômico em seu uso, representando, em geral, estados que formam o país (como as 49 estrelas na bandeira dos Estados Unidos); algum tipo de aliança racial (como as 4 estrelas na bandeira da República Popular da China que representam os 4 povos que formam este país); caráter religioso (como a presença da Lua Crescente em bandeiras de países islâmicos); e línguas faladas no país (como a estrela de 4 pontas da bandeira de Aruba que representa as quatro principais línguas faladas no país).
Muitas bandeiras apresentam características especiais, de acordo com as tradições do país. Várias sugerem a importância da agricultura, ou da industrialização (Angola, Moçambique); a linhagem de uma dinastia reinante (Liechtenstein); aspectos característicos da flora ou da fauna (Canadá, Líbano, Dominica); seus elementos típicos (o templo de Angkor no Camboja, o chapéu típico no Lesoto); sua história (como no caso de Portugal); etc. A bandeira do Reino Unido, por exemplo, é uma união das bandeiras das nações que o formam (veja imagem ao lado): o modelo é composto por várias cruzes, representando os santos protetores dos países; a cruz branca, na diagonal, é do padroeiro da Escócia, Santo André; a vermelha, também na diagonal, é de São Patrick, irlandês; e a cruz mais grossa, ao centro da bandeira, representa São Jorge, da Inglaterra.
Várias bandeiras serviram de inspiração para as bandeiras de outros países ou estados (entidades subnacionais). A bandeira da França, por exemplo, serviu de inspiração, tanto em formato, quanto em cores, às bandeiras de países com simpatia por seus ideais revolucionários, além das antigas colônias francesas. Como exemplo disso, podemos citar a Bélgica, Chade, Irlanda e Romênia. A bandeira do Brasil serviu de inspiração às bandeiras dos estados norte-americanos do Arkansas, de Delaware e dos estados brasileiros do Ceará, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina.
(Extraído do texto A História das Bandeiras - http://www.dsc.ufcg.edu.br/~pet/jornal/novembro2009/materias/cultura.html)

SAIBA MAIS:
A BANDEIRA OLÍMPICA

A Bandeira Olímpica foi criada pelo Barão Pierre de Coubertin em 1914.
“A Bandeira Olímpica possui um fundo branco, com cinco anéis entrelaçados no centro: azul, amarelo, preto, verde e vermelho. Este desenho é simbólico; representa os cinco continentes habitados do mundo, unidos pelo Olimpismo, enquanto as seis cores são aquelas que aparecem em todas as bandeiras nacionais até o presente momento”. (Barão Pierre de Coubertin)


BANDEIRA DO BRASIL

Nenhum comentário:

Postar um comentário