quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Comunicação Inclusiva e Acessível - um direito de todos; um dever do Estado!

Intérpretes de surdos auxiliam de partos a formaturas em São Paulo

Por JAIRO MARQUES / DE SÃO PAULO
Todos os episódios acima seriam corriqueiros caso os personagens envolvidos não fossem pessoas com deficiência auditiva que sempre encontraram obstáculos de comunicação para utilizarem com autonomia serviços públicos em São Paulo.
Há oito meses, porém, pessoas surdas ou surdocegas (com surdez e cegueira ao mesmo tempo) passaram a ter auxílio gratuito para suas demandas. Até agora, foram 700 atendimentos.
O CIL (Centro de Interpretação de Libras), da Prefeitura de São Paulo, realiza intermediações de conversas, por meio de uma equipe que domina a língua de sinais, entre os surdos e profissionais como, por exemplo, médicos, policiais, assistentes sociais, professores, agentes administrativos, entre outros.
Moisés, de 20 dias, teve seu caminho do útero da mãe, Danyela Ponte, 40, até a chegada ao mundo acompanhado, além da equipe médica, por uma intérprete do centro especializado. A profissional traduziu para libras as recomendações do obstetra à mãe e as dúvidas da gestante para o português.
"Perdi um bebê no passado e atribuo parte da culpa à falta de uma boa comunicação com o médico. Agora, com a intérprete me auxiliando, me senti mais segura. Consegui entender bem o que tinha de fazer e repassar minhas dúvidas", diz Danyela, em libras, com tradução do intérprete Thyago de Souza.
De acordo com o IBGE, a cidade de São Paulo tem 516 mil habitantes com deficiência auditiva, o que envolve pessoas surdas que falam libras, surdas oralizadas (fazem leitura labial), pessoas com dificuldade de audição em vários níveis e surdocegas. [...]


Nenhum comentário:

Postar um comentário